O Perfil do Psicólogo Brasileiro e sua Formação

Por Danilo Moreira

Uma grande pesquisa realizada em 2006 pelo Grupo de Trabalho de Psicologia Organizacional e do Trabalho (PO&T), pertencente à Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia (ANPEPP) aponta que a maioria dos psicólogos no Brasil é do sexo feminino, possui entre 30 a 40 anos, atua principalmente na área clínica, trabalha em consultório próprio ou alugado, concilia atividades em outros segmentos de atuação como docência e consultoria em empresas e ganha, em média, até cinco salários mínimos. O número de profissionais de psicologia está concentrado principalmente na região Sudeste do país e tem, em média, 10 anos de estudos, realizados principalmente em instituições de ensino superior particulares.

A pesquisa afirma que mais de 80% dos psicólogos brasileiros são mulheres e na maioria são jovens adultas (na média de 36,7 anos de idade), fruto do crescimento vertiginoso do número de cursos de graduação desde a década de 1980 e, consequentemente, do aumento de profissionais ingressantes no mercado. Pouco mais da metade dos psicólogos ganha até cinco salários mínimos (51,3%), fator que varia conforme o tempo de atuação e formação, podendo alcançar 11 salários entre os psicólogos com mais de 20 anos de formação.

A Região Sudeste é a que mais detém o número de profissionais (60,4%), mas esta concentração vem diminuindo desde os anos 1980 e, com isso, a profissão de psicólogo tem se expandido para outras regiões, especialmente o Sul, o que abre oportunidades de trabalho para os profissionais que desejam atuar em outras partes do país e fora dos grandes centros urbanos como São Paulo e Rio de Janeiro. Outra tendência é a descentralização da atuação dos psicólogos em capitais. A primeira grande pesquisa de abrangência nacional apontou que 59% dos psicólogos trabalhavam nesses municípios. Já no final dos anos 2000 o cenário se inverteu: 52% dos profissionais atuavam em cidades do interior, o que indica, segundo Bastos (2010), que as populações interioranas vêm adquirindo maior acesso aos serviços de psicologia nas últimas décadas.

Formação

As Diretrizes Curriculares dos cursos de Psicologia estabelecem que as aulas devem proporcionar aos alunos o domínio essencial de conhecimentos da área e a capacidade de utilizá-los em diferentes contextos que demandam investigação, análise, avaliação, prevenção e atuação em processos psicológicos e psicossociais, além da promoção da qualidade de vida. Os cursos de Graduação possuem cinco anos de duração e os alunos têm contato com disciplinas como: neurologia, antropologia, psicanálise, psicologia do desenvolvimento entre outras. Ainda que a maior parte dos cursos não acompanhe de forma efetiva os avanços e demandas da profissão, as universidades têm investido mais em disciplinas que desenvolvam múltiplas habilidades e competências profissionais necessárias para a atuação no mercado. Falando em cursos, de acordo com a pesquisa do PO&T, entre os anos 1980 e o final da década de 2000, houve um aumento de 300% na oferta de cursos de Graduação em Psicologia nas universidades brasileiras, sendo 90% deles instituições de ensino privadas.

É cada vez maior o número de psicólogos que buscam aprimorar-se por meio de cursos de Pós-graduação, buscando principalmente a especialização. Também é cada vez maior a busca de formação complementar por meio de cursos de curta duração, ou participação em palestras, grupos de estudo, congressos ou supervisão extra-acadêmica.

As mudanças econômicas, tecnológicas, políticas e sociais das últimas décadas influenciaram a atuação do psicólogo e vêm estimulando a percepção da necessidade da atualização constante, o desenvolvimento e aprendizagem de novos mecanismos de trabalho inclusive para atuar em equipes multiprofissionais, além de conhecimentos que ajudem a ampliar a sua percepção de mundo e a concepção sobre a natureza dos fenômenos psicológicos individuais e coletivos; o psicólogo pode também contribuir como genuíno agente de transformação social.

Fonte: BASTOS, Antonio Virgílio Bittencourt; GONDIM, Sônia Maria Guedes (Org.). O trabalho do psicólogo no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2010.